segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

FOTOGRAFIA



Marcas do que sou
Sorriso que ficou
Copia daquilo que permaneceu
Momento, pensamento,
Poesia do jogo de luz
Romântica, exótica, polêmica
Que diferença fará?
Prisma, instante, flash...
Fotografia é papel
Arrependido, marcado
Ou esquecido...
Sob a sua ótica,
Qual seria o meio termo?
Tentativas, meras tentativas.
Perfeitas ou não
Preenchidas ou vazias...
Valeu aquela emoção!



Clécia Santos

HOJE...



Ainda é cedo para amanhã
É riso solto
Pois as preocupações são breves
A memória nem lembra
O que passou
Pulsa o agora!
Brinda a alegria
Ou a lágrima da emoção.
Hoje é brincadeira
Inconstante do presente
Que tudo vibra...
Céu, nuvens, chuvas, trovões...
O porque disso tudo
Junto do "hoje"
Corresponde às paixões.
E portanto, viva o hoje!

Clécia Santos


CARICATURA




Sem nenhuma cor
Quase vida efêmera
Lembrança do que é
Algo pré definido
Infinitas formas de pensar
Sob qualquer ótica
Órbita do pensamento
Criação diversas
De giz imaginário
De sol pelo avesso
De algo de sonho...
Sombra? Dúvida?
Quem sabe! Talvez...

Clécia Santos

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

SONHOS



Sons sonhos sonoros
Ondas órbitas orbitais
Nuvens nobres nubladas
Honras hinos homenagens
Orquestra ondas orbiculares
Semeando sonhos subconscientes.

-Clécia Santos-

domingo, 8 de dezembro de 2013

FLORINDO...


Entre canteiros de estradas
O calor do asfalto me desconsidera
Ó triste primavera
Que passa por olhos despercebida..
Entre frios e sem nexos freios
No meio das avenidas.
Mas é simples assim
Fecunda de amores naturais
De um caule tão árido
Explosões exuberantes de flores
E flores... Uma fantástica visão...
Um presente de natal natural
Que você sem poesia
Esqueceu apenas de ver...

-Clécia Santos-

ESPERA...

   

   Neste mês de dezembro, minhas expectativas voam...
Estou à espera de algo valioso! Meu próximo livro.
Por isso, aguardem novidades, título, lançamento, capa,etc.
Neste período, há uma sinergia muito alta, de um sofrimento,
de ansiedade, de algo quase semelhante à espera de um filho.
   Assim, entre sorrisos, emoções inexplicáveis, 
e preparação desse "enxoval" estou em estado "divino".
Num divinal recomeço poético, onde a poesia
não pára, não parou, e voa como luz...
Apenas para está presente na vida de alguém
Que ler, se encanta, se deslumbra, se encontra...
Em palavras, em versos, ou num total "me identifiquei!".

   Muito obrigada à todos vocês que visitam este BLOG!
Muita paz e poesia na vida! Abraços!

- Clécia Santos- Obs: A ANGEL ´por aqui!

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

SÓ EM SONHOS?



Onde caminhei por veredas sombrias de meus sonhos,
Encontrei escritos secretos em papel amarelado.
Nele, haviam palavras de amor, apaixonadas,
Emolduradas em gotas de lágrimas...
Que marcavam a tinta cheias de lembranças.
Mas onde? Onde estava o meu sonho?
O quê me revelava? Sombrias dúvidas!

Onde caminhei por veredas sombrias de meus sonhos,
Não encontrei a resposta desses escritos secretos.
Só aumentei a expectativa que me encontro.
Será que a fantasia que criei, que me amas...
Está subtendida apenas nos sonhos?
O quê farei agora? Como sair desse labirinto?
Vou, quem sabe, lembrar de tudo e sonhar outra vez!

-Clécia Santos-

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

ALMA



Se bem soubesses...Que orgulho, terias?
A alma é cálida, cândida, sem cor,
Despojada de ouro, matéria, odor,
Mas carrega um brio próprio...
Aquele que te foi promulgado!


-Clécia Santos-

domingo, 10 de novembro de 2013

SONHOS EXTINTOS


Meus sonhos inéditos
São sonhos extintos
De bordas benditas
De histórias perfeitas!

Meus sonhos sem créditos
São sonhos em dores e medos
De ventos e fugas
De retas e curvas!

Ah! Meus sonhos são segredos
Em preto e branco...
De fibras e fios.

Ah! Esses sonhos inéditos...
Sem cores e sem vida
Que vibram nos cantos!

-Angel-

LIBÉLULA







No ar algo de casa

Convívio de asas
Nunca cansável
Entre o céu, nuvens,
Uma busca por gotículas 
De água nas flores,
Um sim e um não...
Apenas suspensa
Como asas transparentes.
Inspiradoras e delicadas...
Uma libélula ou outras
Nesses rasantes sem fim.

-Clécia Santos-

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

NÃO SEI...


Sangro versos, sangro rimas, poesia se esvai
E o perfume que exala das rosas? 
Não sei... Não sei...
O que sai de mim...
São rimas soltas...Versos soltos...
E a brisa do mar? Não sei... Não sei...
O que me abrigo... Meu perigo...Teu abraço.
Na confusão solta de versos sem nexos
Só peço um pouco perdão e tua absolvição!

-Angel-

sábado, 2 de novembro de 2013

ANJO...






Onde está seu olhar pai querido?
Após esta separação dolorosa
De anos e anos de saudades?
Será que está como um anjo a flutuar?
Ou perto sob o olhar de Deus?
A  misteriosa mão que conduziu minha vida
Agora sei jamais será esquecida...
Se hoje sou o que sou foi tentando
Ser seu exemplo humano para o bem.
Lágrimas não nos aproxima...
Mas aquelas palavras de seu conforto,
Seu sorriso, seu carinho terno,
Seu olhar amigo que sinto tão perto.
Hoje sei é um anjo que guia de longe...
Meus passos, minhas escolhas e minha poesia.
Obrigada meu pai por antes, agora e depois...

-Angel-



Obs: Escrito em homenagem ao meu amado pai que não se encontra entre nós.

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

O QUE ME ALEGRA?


A vida é mesmo assim...
Para uns boa e para outros ruim.
Hoje acordei e pensei:
O que me faria sorrir?
Ah! Um pássaro a cantar
Quanta e quanta felicidade!
Ele brincava com um raio de sol...
Bicava a água...
Como se fosse um manjar.
E repeti: -Mas o que me alegra?
Coisas simples, coisas de Deus,
Coisas que eu possa ver,
sentir, ouvir, abraçar,
Ou mesmo saborear.
Ah! Deus! Os meus sentidos são assim...
Um pouco de Deus, de simples, de mim!

-Angel-

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

ROSA DAS ROSAS




Das rosas que brotei...
Perdi pétalas
Destilando orvalho
Por cada perda.
Mas de rosas e rosas
Que colho...
As minhas mãos não cansam...
Pois a cada gesto que cativo
Deixo suave rastro de perfume.
Sou como rosas...
Entre meus espinhos.

-Angel-
                                                                                                                                                                                       

domingo, 20 de outubro de 2013

AMOR AMOR



Vontade de voltar tudo outra vez
Abraçar,sentir, respirar
Ser amor dentro de teus olhos
E reviver cada passagem
Do tempo expirado.
Dançar aos ventos
Seguindo teu"sorrindo"
Dizendo-me vem.
Lembranças, apenas lembranças
De amores e amor
Rimado, amado, partido...

-Angel-



OBS:

la Valse 1889-1895
Camille Claudel 1864-1943
bronze
Paris, Musée Rodin

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

TODA A SEGUNDA-FEIRA...



Toda segunda-feira tem um gosto de amargo...
Acho que os domingos são doces e ternos
Que ao romper no dia próximo, desabamos.
Até parece que os sonhos são todos acordados!

Ah! E cadê o bom humor?
Saiu pulando a janela e gritou...
Acorda menina!
Ai! Ai! Ai! O que foi isso?

O sol ou chuva também desabam
Numa rotina que só as formigas
Sabem o quanto é duro trabalhar.
As horas correm, correm, é assim...

Na segunda-feira acordamos com gosto...
De que somos feitos de açúcar,
Ou derretemos na chuva, 
Ou grudamos no sol.

Mas a segunda-feira tem um gosto de amargo...
Acho que os domingos são doces e ternos
Que ao romper no dia próximo, desabamos.
Até parece que os sonhos são todos acordados!

-Angel-


domingo, 6 de outubro de 2013

INSPIRAÇÃO

                                                                         

Vou permanecer ninfa,
 incrustada, lenta e aprendiz.
Petrificar o que fui
Pensar o que desejo
Inspirar-me no silêncio
Para que um dia,
Talvez, torne-me livre...
Voar, luzir, encantar,
Tornar-me borboleta e poesia.

-Angel-

sábado, 5 de outubro de 2013

COISAS E COISAS


Há coisas tão poéticas!
Há fatos tão proféticos!
O quê fazer com tantas ofertas?
Devemos tornarmos poéticos?
Ou meramente coisas?
Que passam como objetos
Usados e descartados?

Há tantas coisas boas para vivermos...
Há tantas horas para cabermos nelas...
O quê fazer com tanto tempo perdido?
Devemos tornarmos ponteiros?
Ou meramente tempo esgotado?
Que passam como segundos
Nulos de relógios estagnados?

Mas observemos que nem tudo está perdido...
Que recomeços surgem a cada segundo
Desse mundo mal arquitetado e imaginado.
Há coisas que são meras coisas que tornam-se belas.
Há coisas que são tão poéticas que tornam-se vivas.
Há na nossa natureza a poesia de que somos feitos
Além da própria natureza dos seres perfeitos.

Observamos isso tudo que nos cerca...
Que não consumimos tudo, mas estão aí.
Vivamos cada respiração e a poesia
Que chamamos de vida!

-Angel-


quarta-feira, 25 de setembro de 2013

CORPO E ALMA


Meu corpo incandescente
Obstrui meus pensamentos
Um verdadeiro sol num dia claro...
Ferve meus sentimentos.

Sou a viva natureza
Amorosa, silenciosa,
Pairando esperançosa.
Pois minha existência
É corpo e alma...
Envolvimento do ser.

Minha alma efervescente
Anima meus sentimentos
Um verdadeiro dia claro de sol,
Indicando que tudo recomeça.

-Angel-

terça-feira, 17 de setembro de 2013

QUANDO? QUANDO? QUANDO?

Quando é palavra de incerteza
Algo que é esperado
Proposto, perseguido,
Impaciente e desesperado.
E tornamos a buscar:
Quando? Quando? Quando?

Nem percebemos...
Mas "quando" acontece
Vira algo comum
Sem nenhuma importância
E por vezes até descartado.
Imagina! E tudo recomeça...
Quando? Quando? Quando?

Mas devemos observar que "quando"...
Significa muito! Algo sonhado...
Um desejo que se realiza.
Uma expectativa que é conquistada,
Perfumada, poética, percebida...
Agora? É hora de reiniciar:
"Quando? Quando? Quando?

-Angel-

sábado, 14 de setembro de 2013

A LUA PELO SOL


Aos primeiros suspiros dos raios do sol
Entre o brilho e o olhar
A lua não mais madruga
Se esconde, e é trocada pelo ouro...
Louros feixes de luz
Num romper esplêndido
Clareia tudo que há em mim...
Humaniza meu corpo
Energiza minha alma
Esquenta o que posso ser.

-Angel-

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

A DEUSA E A LUA


Pelas ruas nuas
Alinhadamente ao céu
A lua e Vênus.
Que dizer de beleza assim?
Estasiar-se, deslumbrar-se
Comover-se, curvar-se
Diante a deusa do amor
Sobre os amores terrestres?

Pelas ruas nuas
Duas belas
Duetos e canções
Repletas de emoções
Banhando brisas
Sorrisos duplos
Driblando a vida
Românticos e poetas.

Pelas ruas nuas
Duas que se completam
Aquela, sorriso aberto
A outra, pronta a flechar...
Bocas, beijos, paixões.
Qual explicação do encantamento?
Seria para uma fim da solidão?
E para a outra banho de sedução?

-Angel-



quarta-feira, 4 de setembro de 2013

PROCURA-SE INSPIRAÇÃO...


O que o corpo pressente
A natureza ativa na memória,
Rapidamente há um transporte.
Quando você menos espera...
Se vê na situação. Tantas...

Que ofuscam o pensamento!
O que é prioridade fica no final,
O que é algo aleatório...
Torna-se sonho realizado.
E ponto final!

Ah! Mas a poesia...
Ela se encontra em cada canto
A sorrir, a gritar, a colorir,
Descrevendo sentidos à vida
Vivendo cada emoção.

Sendo preenchida de amor, então...
Torna-se razão acima da paixão.
Deleita-se de algo inexplicável
Que flui independente da alma
Tudo é lindo! Tudo é notável!

-Angel-

sábado, 31 de agosto de 2013

PRELÚDIO DOS PIRILAMPOS




A boemia do brilho se perdeu...
Poemas, poesias, cânticos,
Em violinos e em festas,
Destilaram lampejos divinos.
Rondaram na magia de lindas madrugadas.
Ah! Misturaram-se aos sonhos...
Em milhares deles,
Perderam-se nos destinos
Cada um deles, sob a imaginação.
Ah! Os pirilampos! São luzes...
Que se lançam em prelúdios
E adormecem sonhos.

 

-Angel-

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

ESCONDIDA ENTRE LENÇÓIS



Um dia frio merece cobertores diversos
É dia de extrema reflexão!
Você fica ali tranquila, parada, pensando,
Envolvendo-se de carinho por si mesma
Como se a alma encontrasse o corpo
E nesta suprema demência...
Nada e absolutamente nada
Tem importância neste momento
Só o silêncio interior...
E o barulhinho da chuva.
Pronto! O suficiente para a prostração...
Sendo boa e saudável.
Escondida entre lençóis
Você, você e você
Em três estados de felicidade
Consigo mesma.
Semelhantes formas de dizer:
Eu, meus pensamentos e tempo.

-Angel-



domingo, 25 de agosto de 2013

DIA DE ROSA


As rosas foram feitas para atrair...
Os mensageiros do amor se seduzem,
Encantam-se, perdem-se, apaixonam-se...
As rosas são acompanhadas de uma beleza
Que entre todos os mistérios, o aroma...
Néctar de exuberantes cores, transbordam,
O chama de toda a natureza em festa.

Ah! Os campos de mil rosas!
São mil campos de libertação!

A liberdade em mil cores, amores,
Para sonhar, cavalgar, vagar!
Então, hoje, com razão, eu decreto...
Sem nenhum motivo aparente, DIA DE ROSA!
Em que a lei será ofertá-las e ofertá-las,
Apenas para deixar evidente: Elas merecem!


-Angel-

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

PÉROLA



Ah! Pérola alva ou multicor!
Adorno de mar
Sensual, sedutor
Mil e uma
Apenas única
Todo efeito
Toda pele
Úmida ou vitrine
De lábios o espanto.

Ah! Pérola alva ou multicor!
Oriunda por séculos
Entranhas de ostra e mar
Em marés, ondas a remar.
Tua beleza é encanto
Sete mil em cada canto
Incrustada prostrada a brilhar
Natural exuberância juvenil
lapidada, completa e perfeita!

Ah! Pérola alva ou multicor!
Que pensar de teu pudor?
Se derivas como pó
A qual gosma semelhante?
Ungidas de amores mil
Ostentação de tudo indolente
Em vários anjos ou serpentes
Pronta para romper canções
Em vastos seios de mulher.

-Angel-

domingo, 18 de agosto de 2013

ENIGMÁTICA






A palavra é sinônimo de comunicação.

Mas a palavra pode ser iludida,
Desiludida, ferida, magoada,
Sincera, falsa, serpente
Observadora, calada, omitida...

O maior enigma da palavra...
É poesia...É vento...
É arrependimento...
É o dito pelo não dito,
É o maldito defeito de falar...

A palavra escrita é enigmática
Complexa e perplexa.
Filosófica, livre e estupidamente
Fria, restrita ou direta
Diz. Giz. Fica e sempre surpreende...

-Angel-



quarta-feira, 14 de agosto de 2013

UM GIRASSOL COMO UM GIRASSOL




A luz dos olhos de um girassol
É um sentimento nobre.
Ele é a chama do próprio sol
Fervente de amor e atração...
Como um girassol, um girassol
De verdade reinicia a vida
Apenas quando o sol brilha.
Em dias frios e nublados...
O que são dos girassóis?
Fecham-se em labirintos medos
Silenciam em grupos ou na solidão.
Assim a vida de quem tem a luz
Como testemunha de seus atos...
E aí... Escolha bem,
Escolha a luz,
Escolha a fé divina...
Que tudo de bom acontece.

-Angel-  

domingo, 11 de agosto de 2013

TUA MÃO PESADA DE AMOR...


Pai! Sei que estás em mãos seguras
Que a tua suavidade filosófica
Ficou marcada em todos nós.
Que tua magnífica palavra de fé
Foi marca de fogo de amor.
Um não na tua boca era ensinamento...
Quando era um sim, crescimento.

Pai! Sei que estás em mãos seguras
Que a cada passo por aí
Um horizonte de milagres
Emanas para nós por aqui.
Que no desvio de nosso caminhar
Sei que também encontras
A intuição certa para seguirmos
Pois percebemos a tua presença.

Pai! Sei que estás em mãos seguras
Que a tua mão pesada de amor
Guia a nossa conduta e disciplina.
Que o teu olhar sobre os livros...
Nos deu exemplo de responsabilidade
Que a cada distância existente...
É sinônimo de nossa eterna SAUDADE!


-Angel-

Obs: Ao meu pai tão amado falecido.